“Wellington Dias faz pouco caso sobre pagamento de TFD no Piauí”, afirma Luciano Nunes

Pagamento do auxílio para Tratamento Fora de Domicílio está atrasado há sete meses

O deputado estadual Luciano Nunes fez um apelo ao governador Wellington Dias na manhã de hoje (26), na Assembleia Legislativa do Piauí, para que regularize o pagamento do TFD dos pacientes renais crônicos do Estado do Piauí, que está atrasado há sete meses. O TFD é um auxílio dado às pessoas que precisam de Tratamento Fora de Domicílio (TFD). Hoje, pacientes vindos de Picos e Oeiras foram pedir auxílio aos parlamentares para que a situação se regularize.

Segundo dados repassados pela Associação de Pacientes Renais Crônicos do Estado do Piauí (APREPI), são cerca de 2 mil pacientes que necessitam do TFD para fazer hemodiálise, que é realizada em apenas sete municípios do Estado.

“Muitos pacientes estão deixando de fazer hemodiálise porque não estão recebendo esse recurso e não possuem recursos pessoais para bancar esse tratamento. Já existem até relatos de óbitos de alguns pacientes por conta dessa questão. Nenhum desses pacientes pode viver sem hemodiálise e o Governo do Estado está há sete meses sem fazer o repasse. Esses pacientes não tem de onde tirar, são vidas em jogo, é o tratamento desses pacientes renais que está em jogo, e o governador Wellington Dias faz pouco caso”, disse Luciano Nunes.

De acordo com Luís Filho, presidente da APREPI, já existe, inclusive, ação no Ministério Público Estadual e no Ministério Público Federal para  tratar da regularização do repasse do TFD. “Hoje no Piauí temos mais de 7 mil pacientes que necessitam do TFD, não somos apenas os pacientes renais.  Nós já tivemos quatro reuniões com o secretário de Saúde do Estado, Florentino Neto, e essa questão não se resolveu. A Sesapi alega que não tem recurso, que houve greve de auditores, que é por conta da burocracia. Mas isso não justifica. São sete meses. Não são só processos em cima de uma mesa. Por trás de cada processo tem vidas, Temos pessoas morrendo”, afirmou Luís.

O presidente da APREPI acrescenta que além do repasse estar atrasado, há 10 anos o valor pago pela TFD não é reajustado. “Esse valor que recebemos é muito pouco, já tem mais de 10 anos que não é reajustado, era pra gente estar lutando para melhorar esse valor, mas a nossa reivindicação hoje é, tão somente, para que seja repassado, já que estamos há sete meses sem receber. A diária é R$24,50 para pagar hospedagem, alimentação e transporte. Esse valor já não dá e sem receber então é que fica difícil. Nossa saúde não está sendo valorizada, e este tratamento é de homens e mulheres que já contribuíram para o Estado, já trabalhavam, tinham sua vida e não pediram para adoecer. Pedimos a sensibilidade do governador para regularizar essa situação”, solicitou Luís Filho.

Deixe uma resposta